Filhos em casa e aulas online

Os impactos causados pela pandemia do novo corona vírus (COVID-19) são graves, não somente na área da saúde, mas também em outros setores de nossa sociedade, como no ensino, que buscou na educação online uma saída.

Na educação, 1,5 bilhão de estudantes chegaram a ficar com aulas suspensas. Pais de todo o mundo passaram a viver em confinamento com os filhos em casa.  

As escolas de ensino infantil, fundamental e médio têm sido as que mais estão sofrendo com os impactos da covid-19 na grade e no modo de ensino.

Mas e em casa? Como lidar com essa situação?

Se tratando de crianças pequenas é melhor intercalar atividades e brincadeiras. Os mais pequenos dificilmente ficam atentos ao conteúdo por um longo tempo, é preciso saber equilibrar.

Exemplo: nos intervalos de uma atividade para outra; uma atividade de pintura e depois deixe brincar livremente.

Já os maiores, a dica é observar o material que está disponível na internet. É interessante que os pais assistam antes as aulas, preparem atividades e depois acompanhem os filhos, tirem dúvidas e confiram se, de fato, aquele conteúdo foi assimilado.

Diquinhas:

1 – Diálogo

Mantenha diálogo constante com a criança e dê feedbacks (retornos) à escola sobre o desempenho dela nas atividades. O diálogo é ainda mais necessário se o aluno tiver algum diagnóstico de hiperatividade ou ansiedade, por exemplo, ou apresentar outros tipos de problemas na absorção dos conteúdos. Esteja aberto a ouvir o que a criança e escola têm a falar.

2 – Rotina e disciplina

Mantenha uma rotina clara, estabelecendo direitos e deveres da criança. Ela deve estar ciente de suas metas diárias e das restrições que serão impostas, caso não cumpra suas obrigações escolares. Se ela irá ou não usar uniforme ou o local ideal e exclusivo para os momentos de estudo devem ser definidos previamente. De preferência, com a anuência da criança e da escola.

3 – Menos cobrança 

A cobrança extrema para que o aluno cumpra tudo o que for estabelecido pelos pais e pela escola, sem oferecer parceria ou apoio em troca, pode tornar o processo de aprendizado ainda mais complicado. Por isso, imponha limites, mas cobrando menos e apoiando mais.

4 –  Mais criatividade

Assim como os professores, os pais também devem se esforçar para usar a criatividade e tornar o processo de aprendizado mais eficiente e prazeroso para seus filhos.

5 – Incentivo e elogio

O aprendizado on-line e o próprio contexto da pandemia são obstáculos enfrentados por adultos e ainda mais difíceis para as crianças. Por isso, sempre que possível, incentive e elogie o seu filho. Isso o estimulará a aprender, a recorrer mais à criatividade e a se envolver mais nas atividades.

6 – Parceria e respeito

Se mostre como um parceiro da criança, respeitando o seu tempo de aprendizagem. Não subestime as suas dificuldades e ajude-a a encontrar soluções. Isso não quer dizer que os pais devem fazer as atividades no lugar dos filhos. Evite essa prática. Os pais devem estender a parceria à escola e aos professores para que todos cheguem a um consenso, priorizando sempre o que for melhor para o aluno, a partir de suas especificidades.

Apesar da gravidade do momento, esse é um tempo que os pais devem aproveitar para se conectar mais com os filhos. Sempre temos boas lembranças da infância, que esse seja de boas recordações.

Dia Nacional do Livro!

Vocês sabiam que existe o Dia Nacional do Livro? Em 29 de outubro celebramos o dia do livro aqui no Brasil, mas sabendo da importância da leitura, todo dia é dia do livro, não é mesmo?

Estimular seus filhos a terem gosto pela leitura e cuidarem bem de seus livros vale a muito a pena. As histórias infantis abrem o mundo da criança para possibilidades incríveis de criatividade e conhecimento. Além disso, a leitura e a escrita são habilidades essenciais para nossa vida.

É muito legal e importante a família e a escola criar o hábito de ler com os pequenos; As crianças pequenas, antes de saberem ler, já podem ouvir histórias, observar as imagens dos livros e serem criativos ao tentar imitar o gesto da leitura dos adultos. Além disso, esses comportamentos ajudam no desenvolvimento cerebral e na aquisição da fala.

É mágico observar a relação da criança com o livro, para isso, o ideal é o livro tradicional, o livro físico, que você pega, cheira, folheia e vai se encantando pelas ilustrações, pelas cores e pelas palavras que ganham forma na imaginação.

Algumas dicas:

  • Você pode deixar seu filho participar da escolha do que vai ser lido. O importante é que seja uma história, um texto que entusiasme você também, para passar isso adiante.
  • Vários especialistas sugerem que você faça vozes especiais para os personagens do livro. Tente, você também vai se divertir.
  • Também vale explorar as imagens do livro, que deve sempre estar virado para a criança poder vê-las.

Clássicos da literatura infantil brasileira:

  • Reinações de Narizinho (Monteiro Lobato);
  • O Menino Maluquinho (Ziraldo);
  • O Meu Pé de Laranja Lima (José Mauro de Vasconcelos);
  • A Bolsa Amarela (Lygia Bojunga);
  • A Bruxinha Atrapalhada (Eva Furnari);
  • Ou Isto ou Aquilo (Cecília Meireles);
  • Marcelo, Marmelo, Martelo (Ruth Rocha);
  • A Arca de Noé (Vinicius de Moraes);

Como comemorar a data com as crianças?

Agora que você sabe a importância do Dia do Livro, que tal celebrar essa data em família? Temos o hábito de comemorar tantos aspectos culturais, como Natal ou Dia das Crianças, então, é válido adicionar mais um momento de diversão com os filhos.

  • Presenteie com livros: As crianças ganham tantos presentes diferentes ao longo do ano. Por que não desenvolver o hábito de presenteá-la com mais livros? 
  • Faça passeios em livrarias: Livrarias infantis são um mundo cheio de estímulos para as crianças que gostam de ler — e para as que ainda estão aprendendo a gostar. Existem livros diversos, além de materiais interessantes para acompanhar a leitura (como cenários, fantoches de personagens etc.).
  • Leiam juntos: O Dia do Livro não poderia passar sem uma leitura em casa, não é mesmo? Incentive seu filho a observar os livros que ele tem e escolher um deles para lerem juntos. Certamente, a brincadeira será tão boa que ele não vai querer parar no primeiro.
  • Visite eventos culturais da cidade: Muitas cidades realizam eventos especiais para comemorar o Dia do Livro. Geralmente, eles acontecem a partir de iniciativas de bibliotecas, museus e outras instituições semelhantes. Confira a programação no seu município para procurar algo interessante.
  • Conheça a biblioteca da cidade: Vale a pena conhecer as possibilidades que as bibliotecas públicas oferecem.

Seguir as dicas deste post promove não apenas a comemoração do Dia do Livro, mas também a inserção da leitura todos os dias!

Dia Mundial da Alfabetização

Setembro é o mês tão especial em que se comemora o Dia Mundial da Alfabetização, que tem como objetivo fomentar a alfabetização em vários países, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

É comum as crianças demonstrem curiosidade sobre as letras que formam o seu nome e suas palavras preferidas, como nomes dos animais, das cores, dos pais… Começar a reconhecer as letras é o primeiro passo para aprender a ler e escrever. 

Algumas aprendem as letras muito rapidamente, já outras, podem levar um maior tempo de aprendizado pois dependem de mais estímulos e repetições. O que ajuda nesse processo é saber como ensinar o alfabeto de forma divertida!

É brincando que as crianças aprendem sobre o mundo à sua volta e constroem seus conhecimentos de forma natural. Sendo assim, incentivar o contato com o mundo da leitura em forma de brincadeiras, de músicas e de livros, é importante para que os pequenos consigam aprender a ler e escrever mais naturalmente e sem dificuldades.

Quando as crianças começam a aprender o alfabeto?

A maioria começa a reconhecer algumas letras entre as idades de 2 e 3 anos, e por volta dos 5 anos já consegue identificar praticamente o alfabeto completo. Isso significa que é possível começar a ensinar o alfabeto desde cedo, por volta dos 2 anos – mas não espere que ele aprenda tudo em pouco tempo.

É importante lembrar que os pais não precisam ficar obcecados se o filho demorar para entender e se interessar pelas letras, e que a família não precisa fazer o papel da escola nesse momento. Porém, os pais também têm função importante e podem oferecer à criança oportunidades que favoreçam de letramento desde cedo.

Aprendendo as primeiras letrinhas.

Há muitas maneiras de apresentar as letras para uma criança. Em cada idade, o aprendizado se dá de uma maneira diferente, e por isso os estímulos também devem mudar ao longo do tempo.

Os mais pequenos têm um jeito de aprender diferente do de crianças mais velhas. Procure ajuda visual, como livros coloridos com desenhos, bloquinhos ou tapetes de EVA com letras. Seu filho vai se divertir apontando as letras que ele conhece, assim como cores, formas, animais e outros objetos no livro.

Fases da alfabetização em cada idade.

Cada criança é única e passa por seu próprio processo de desenvolvimento. Mesmo assim, em cada idade é comum que os pequenos apresentem alguns marcos de aprendizados relativos à leitura e à escrita:

0 a 3 anos: Nessa idade a criança demonstra curiosidade por ouvir histórias, por isso é importante estimular o gosto por livros e o hábito da leitura. A criança gosta de repetição, então sempre pede para os pais contarem de novo as histórias preferidas. Começam a demonstrar interesse em escrever o seu próprio nome e até a imitar a escrita em seus desenhos.

4 a 5 anos: Nessa fase a criança já conseguem escrever seu próprio nome e reconhecer esse conjunto de letras como uma palavra. É comum que comecem a escrever palavras e pequenas frases nos seus desenhos. Além disso, também já gostam de ouvir histórias mais longas e contar as que conhecem. Recitam rimas, trava línguas, parlendas e cantam as músicas favoritas de memória.

6 a 7 anos: Nessa faixa etária, muitas crianças já conseguem escrever frases e pequenos textos formando sentido. Os erros ortográficos são comuns e naturais nessa fase, já que a grafia correta se estabelece com o tempo. No Brasil, o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa prevê que os alunos sejam alfabetizados até o 3º ano do Ensino Fundamental.

Os 10 melhores aplicativos para a criançada aprender brincando com seus personagens favoritos.

Estamos todos passando por esse momento de isolamento social, e junto está nossas crianças, que estão sem frequentar presencialmente a escola, mas que continuam ativas esperando sempre por conhecimentos novos, por isso esse é um excelente momento para se envolver em algumas atividades com seus filhos e explorar essas diferentes formas de aprender em casa.

Existem milhares de aplicativos no mercado que auxiliam no aprendizado de nossas crianças e de uma forma super leve e divertida, fazendo com que as família se mantenham conectados e engajados com o aprendizado.

Alguns aplicativos que vamos mostrar são gratuitos e outros são pagos, mas vale super a pena olhar todas as opções e escolher quais se enquadram mais com o perfil do seu filho (a), que tal escolher junto com ele (a)? Temos certeza que será um momento muito gostoso e cheio de descobertas para ambos.

Nossas indicações são:

Playkids – é um aplicativo especializado em crianças de até 6 anos com diversos personagem da Nickelodeon, como o Pocoyo e que disponibilizou muitos conteúdos gratuitos para as crianças nessa quarentena, oferece mais de 4.000 vídeos, desenhos, animações, jogos, livros, atividades para serem impressas.

Turma da Galinha Pintadinha – com o aplicativo da nossa linda galinha pintadinha um seu filho (a) terá acesso a jogos educativos, músicas, vídeos infantis do desenho animado, ilustrações para colorir, aulas sobre alfabeto, formas geométricas, quebra-cabeça.

Patrulha Canina Decolam – com esse aplicativo da patrulha canina para crianças até 6 anos, seu filho (a) irá aprender habilidades matemáticas com a ajuda dos incríveis filhotes heróis do desenho da Nick Jr.

Fun English with Doki – é um aplicativo do Discovery Kids, canal muito amado pelas crianças, oferece jogos para ensinar inglês, desenvolver habilidades motoras, números, cores, nomes de animais, frutas, veículos.

My Talking Tom – é um aplicativo com um gato falante onde as crianças tem que dar comida, dar banho, levar ao banheiro, brincar e colocar o bichinho para dormir, estimulando assim a responsabilidade nas crianças.

Sons de animais! – mundo safari, é um grande estímulo para nossas crianças, eles amam animais e com esse aplicativo para crianças de 1 a 5 anos, ao tocar na tela a criança escuta o som do animal, seu nome e suas características

Papumba – é um aplicativo para crianças de 2 a 6 anos, onde a criança irá aprender sobre animais, alfabeto, música e outras línguas.

MY ABC – é um aplicativo para crianças que estão sendo alfabetizadas. O desafio é organizar letras embaralhadas para formar o nome do desenho que aparece na tela.


Pinkfong Bebê Tubarão – é um aplicativo onde as crianças irão ouvir e dançar com o vídeo do personagem super amado “Bebê Tubarão”, em várias versões e idiomas, irá jogar divertidos jogos e aprender os nomes dos animais ao mesmo tempo!

ABC do Bita – é um aplicativo com o personagem mais amado da criançada O Mundo Bita, ele irá estimular a alfabetização, raciocínio lógico e a coordenação motora através de muita brincadeira